EXCELÊNCIA EM REABILITAÇÃO VISUAL COM LENTES DE CONTATO ESPECIAIS

Pesquisar este blog

sábado, 3 de outubro de 2015

Ceratocone após LASIK

Figs.1: Corte do flap corneano

O diagnóstico correto é Ceratoectasia Iatrogênica Pós-Lasik. 

De fato é uma ectasia bastante similar ao ceratocone induzida posteriormente a no caso a cirurgia de miopia pela técnica do Lasik (Laser Assisted In Situ Keratomileusis). Nesta técnica o corte do flap para aplicação da fotoablação a laser corta também no processo inúmeras fibras de colágeno corneano, diminuindo assim substancialmente a resistência biomecânica da córnea. Alguns cirurgiões tem utilizado o prcedimento do "crosslinking" como forma de aumentar a resistência biomecânica da córnea logo após o precedimento do Lasik. Seria uma forma de assegurar resultados melhores em córneas com espessuras menores onde o risco da ceratoectasia é maior. Em alguns casos a cirurgia pela técnica do PRK não gera o problema.


O crosslinking é uma boa alternativa mas posteriomente a adaptação de lentes RGPs ou esclerais é uma alternativa bem mais saudável e que melhor reabilita a visão. Implante de anel pode ser sugerido, não acho uma boa ideia no entanto alguns pacientes podem ceder a tentação de ter seu problema resolvido sem necessidade de adaptar lentes. Dificilmente o implante de anel pode superar a qualidade de visão que lentes proporcionam, é melhr ter o máximo de informações antes de tomar uma decisão.

 Fig. 2: Aplicação do laser
A ectasia pós-Lasik pode ser tardia, temos casos no IOSB de pacientes que nos procuraram cerca de 8 a 10 anos depois da cirurgia, outros foram em menos tempo. Uma das carcterísticas da ectasia pós-lasik é que a mesma se encontra geralmente bem centralizada ou ligeiramente próxima ao eixo visual onde foi realizada a ablação e onde a córnea teve o maior compromentimento visual. Começa com um retorno da miopia e astigmatismo leve, se fizer procedimento posterior de retoque a situação piora ainda mais. 

Atualmente a incidência deste tipo de complicações tem diminuido graças a precaução maior (após muitos casos aparecerem) e dos exames mais precisos que são feitos para detectar possíveis contraindicações e riscos.

Os oftalmologistas cirurgiões contam hoje com exames mais sofisticados como o Pentacam (tomografia de segmento anterior), eles são bem mais precisos e completos para uma análise da córnea para identificar possíveis contraindicações ou riscos para uma cirurgia refrativa. Embora estes exames em especial o Pentacam que temos maior experiência proporcionem dados de paquimetria corneana (espessura da córnea) com bastante precisão a paquimetria ultrassônica ainda é considerada o padrão-ouro para paquimetria, devendo este exame ser a referência para esta medição.


O Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos não realiza cirurgias refrativas, nosso trabalho consiste na reabilitação visual daqueles pacientes que tem defeitos refrativos graves como altas ametropias ou córneas irregulares como ceratocone, ceratoectasia, pós-transplante de córnea, pós-implante de anel corneano e de adaptação de lentes especiais para tratamento terapêutico de pacientes com síndrome de olho seco. O IOSB é pioneiro na reabilitação visual com lentes especiais no Brasil e também pioneiro nas adaptações da moderna lente escleral no Brasil,Ao longo de décadas desenvolvemos inúmeras soluções em desenhos de lentes para diversas patologias da córnea, sejam lentes rígidas como a Ultracone (tipo Soper modificada) e as lentes esclerais SSB e SB. 


Fig.3: Lente escleral SB (Scleral Bastos) Full Scleral de 19.5mm
Cortesia Ultralentes

Nenhum comentário: