EXCELÊNCIA EM REABILITAÇÃO VISUAL COM LENTES DE CONTATO ESPECIAIS

Pesquisar este blog

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Feliz 2011 para você!

A equipe do IOSB deseja a todos os pacientes, amigos, colaboradores, colegas, oftalmologistas e prestadores de serviços á saúde um 2011 com muitas alegrias, bem-estar, harmonia, saúde e prosperidade.

Temos muitos projetos para este ano que está chegando e contamos com cada um de vocês para fazer parte deles, o que para nós é uma honra e satisfação. Esperamos que as pesquisas clínicas e trabalhos científicos que iniciamos possam colaborar para proporcionar a todos os pacientes e a ciência médica benefícios para uma saúde visual cada vez melhor.

Alguns fatos interessantes relativos a este ano de 2010 que passou:
  • O IOSB atendeu a mais de 4000 pacientes em 2010.
  • Mais de 75% eram casos de reablitação visual com lentes de contato (+/- 3000 pacientes).
  • Dos pacientes de lentes de contato cerca de 90% foram de lentes RGPs (+/- 2700 pacientes)
  • Destes 2700 pacientes, cerca de 80% foram casos de ceratocone, incluindo ectasia pós-Lasik (+/- 2150 pacientes)
  • Do total de 2700 pacientes de lentes rígidas, 34 pacientes foram adaptados com lentes RGPs esclerais ou semi-esclerais.
  • Dos 3000 pacientes de lentes de contato, cerca de 11% vieram de fora do estado. (+/-330 pacientes)
  • Tivemos pacientes de vários estados do Brasil, como SC, PR, SP, RJ, MG, DF, GO, ES, SE, CE, PE, BA, AM, RN, PB, MT, MS, AC.  
  • Aproximadamente 90% dos pacientes que vieram de fora do estado foram casos de ceratocone ou ectasia pós-LASIK, o restante foram pós-transplante de córnea e olho seco (lentes esclerais).
  • O percentual de sucesso nas adaptações de lentes de contato permaneceu estável como em outros anos, em torno de 99,2% dos casos, levando-se em consideração os pacientes que retornaram e já fizeram suas revisões de rotina.
Os números estão colocados sempre de forma "mais ou menos" para deixar uma margem de erro, mas basicamente reflete como foi nosso ano e mostra algumas coisas interessantes. Uma clínica dedicada a reabilitação visual com lentes de contato que estiver bem preparada para isso terá certamente um movimento maior nessa área.

Outro fator que nos chamou a atenção esse ano foi um maior número de pacientes com diagnóstico de ceratocone, mas com exame mais atento e diagnóstico diferencial pudemos observar que eram pacientes com astigmatismos elevados que apresentavam elevações anteriores nos exames de topografia, mas sem qualquer outro sinal que indicasse a presença da patologia. Pacientes com exames identicos, alguns usuários de óculos e sem precisar trocar a prescrição por mais de dois anos entre outras características. Seria um bom assunto a ser tratado nas residências e nos congressos de oftalmologia no Brasil.

A tomografia topográfica tem mostrado ser um exame de muito maior especificidade e sensibilidade do que a topografia simples, mesmo numa clínica de lentes de contato mas especialmente na clínica de lentes de contato especiais para córneas irregulares. Os exames do Orbscan e do Pentacam foram os mais utilizados depois da topografia comum especialmente nos casos de maior complexidade ou de avaliação para cirurgia. Para a paquimetria corneana (espessura da córnea) a paquimetria ultrassônica é definitivamente o padrão ouro para obter medições precisas, embora a paquimetria tanto do Orbscan como do Pentacam forneçam um mapa bem mais completo da paquimetria de toda a córnea, mesmo que com uma margem de erro já abordada na literatura médica e científica.

A ótima relação que mantemos com a oftalmologia no estado do RS e no Brasil é gratificante, tem sido maravilhoso encontrar os amigos de meu pai e excelentes especialistas em congressos e simpósios de oftalmologia. Uma questão interessante que descobri em relação aos novos tratamentos do ceratocone como implante de anel e crosslinking foi a de que os especialistas em córnea e adaptação de lentes de contato em grande parte não são os mesmos cirurgiões que operam. Tive a oportunidade de assitir esse ano no Congresso Brasileiro de Oftalmologia (CBO2010) a palestras e debates dos cirurgiões, é interessante a diferente abordagem que os mesmos fazem da córnea em especial no ceratocone. Pude fazer novas e boas amizades e aprendi muito com eles, aliás foi uma das áreas que mais me chamou atenção esse ano e a qual venho estudando, a resistência biomecânica da córnea, ligações covalentes das fibras de colágeno, entre outros fatores. Percebi que há a necessidade de uma maior interação entre os especialistas cirurgiões e os especialistas em adaptação de lentes especiais no ceratocone, ambos tem muito a aprender um com o outro especialmente por não representar perda nenhuma para ambos e por poder ser de grande valia para os pacientes.

Era esse "pequeno" recado que quis deixar aqui, talvez no rítmo da "retrospectiva" de 2010. Espero que o ano de 2011 seja excelente para todos, com mais saúde, paz e prosperidade.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB
Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos - http://www.iosb.com.br/

domingo, 21 de novembro de 2010

Lente Semi-Escleral SSB

No vídeo abaixo instruções de como colocar e retirar as lentes esclerais e semi-esclerais:

video

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

A Fina Arte de Adaptar Lentes no Ceratocone

Nestes últimos anos surgiram novas alternativas de tratamento do ceratocone que sempre são bem recebidas tanto pela comunidade médica e científica como especialmente pelos pacientes que sofrem com este problema. Embora grande parte destes tratamentos estejam ainda sendo avaliados quanto a sua real eficácia e segurança especialmente a longo prazo não resta dúvidas de que os resultados obtidos mundialmente são animadores. O fato principal a ser observado é que com a crescente capacidade dos equipamentos de diagnóstico por imagens como os topógrafos e tomógrafos corneanos é possível identificar os casos ainda iniciais e melhor distinguir entre um possível ceratocone e uma córnea com astigmatismo corneano acentuado, o que as vezes ainda confunde alguns especialistas.

Com estes recursos avançados de dignóstico por imagem e mais o exame clínico biomicroscópico é possível identificar bem casos iniciais e moderados da patologia do ceratocone. Estes são os principais casos que podem beneficiar-se das novas tecnologias de tratamento como implante de anel intra-corneano (intra-estromal), crosslinking de colágeno de córnea com riboflavina sob raio UV (C3R) entre outros em estudo como a radiofreqüência.

É importante levar em consideração que a adaptação de lentes de contato, especialmente as rígidas (RGPs) especiais para ceratocone ainda são largamente a mais utilizada alternativa de tratamento do ceratocone no mundo, responsável por cerca de 54% dos tratamentos ou seja, ela é maior do que qualquer outra alternativa ainda. O porquê poderia ser explicado pelo fato de ser uma alternativa de custo significativamente mais baixo do que um procedimento cirúrgico por menos invasivo que seja e pelo fato de ter maior disponibilidade de lentes, entretanto não é somente isso. É importante lembrar que em termos de acuidade visual e qualidade visual as lentes RGPs especiais para ceratocone quando de boa qualidade e alta tecnologia são a melhor opção em casos de ceratocone quando o astigmatismo irregular é tal que a visão fica comprometida mesmo com uma intervenção cirúrgica ou comparados ao uso de óculos, mesmo que estes sejam bem feitos. 

Lentes de contato RGP especiais de boa qualidade e bem adaptadas não machucam a córnea, não são desconfortáveis e praticamente não oferecem grandes riscos ao paciente. Esse é o principal motivo pelo qual as lentes de contato ainda são largamente a opção mais utilizada mundialmente. Pacientes bem adaptados, com lentes boas, bem orientados pelo profissional ou pela equipe de especialistas que o atende na clínica oftalmológica são pacientes que recuperam sua auto-estima, convivem em sua maior parte bem com suas lentes de contato e tem uma vida normalizada, especialmente nas suas atividades diárias como trabalhar e ter o seu lazer. 

Da parte do paciente é importante ele seguir bem as orientações do seu especialista e se tiver dúvidas sobre a eficácia do tratamento ou dos resultados obtidos ele deve falar com o especialista e também tem o direito de ter opiniões de outros especialistas assim como testar outras opções em lentes de contato. É importante que o paciente siga as orientações dadas e procure fazer revisões de rotina de no mínimo 12 em 12 meses para assegurar que as lentes estejam confortáveis, a visão boa e a córnea esteja sempre saudável.  É igualmente importante lembrar que nem sempre um modelo de lente serve para todos os casos´. Existem pacientes com ceratocone inicial que podem usar lentes gelatinosas e outros com situações semelhantes não tem bons resultados. A única lente que pode sempre ser adaptada em casos de ceratocone é a lente RGP, especialmente se tiver um desenho de alta tecnologia e qualidade superior, isso é um consenso entre os grandes especialistas no mundo.

Quando o especialista dispõe de lentes de boa qualidade e um laboratório que possa produzir lentes personalizadas os resultados tendem a ser muito bons. Irá depender muito da capacidade do especialista de estudar cada caso individualmente e colocar em cada um destes casos toda a sua experiência para planejar a adaptação de lentes personalizadas para cada paciente, para cada caso específico. Caso este especialista tenha um bom atendimento técnico e qualificado do laboratório que compreenda as informações que lhe serão fornecidas para personalizar as lentes para aquele paciente as chances de sucesso aumentam exponencialmente.

Lente Ultracone adaptada em um ceratocone avançado com curvatura de 60 dioptrias,
grau -16.00 (imagem do padrão de fluorosceína sob luz azul de cobalto) IOSB

Os pacientes de ceratocone devem ser bem informados quanto a eficácia dos tratamentos, dar ao paciente o máximo de informações e o mais próximo possível dos resultados que podem ser obtidos com um ou outro tratamento é o caminho mais saudável a seguir. Alimentar o paciente com expectativas muito grandes pode gerar uma frustração muito grande para o paciente, para seus familiares e também para o proprio especialista. É fundamental levar em consideração que em muitos casos mesmo após uma alternativa de tratamento cirúrgico haverá a necessidade de adaptar lentes de contato e nem sempre isso será mais fácil que antes do procedimento. A adaptação de lentes hoje pode ser feita mesmo em casos considerados até anos atrás como indicação de transplante de córnea, isso se o paciente com ceratocone avançado ou extremo não tiver uma córnea com opacidades importantes que inviabilize uma correção óptica com lentes RGPs especiais para casos extremos.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Atualização em Ceratocone e Tratamentos

Na semana quem vem a equipe do IOSB estará presente no XIX Congresso Brasileiro de Oftalmologia - Prevenção da Cegueira e Reabilitação Visual que este ano ocorre em Salvador, Bahia. É nosso compromisso estar sempre atualizado e em dia com as inovações tecnológicas em reabilitação visual, assim como também divulgar o nosso trabalho para os colegas e amigos de outros estados do Brasil.

O IOSB firma-se a cada dia como uma referência nacional em adaptações de lentes especiais para reabilitação visual de pacientes com córneas irregulares como ceratocone dos casos iniciais aos mais avançados e extremos, no pós-implante de anel intra-estromal, no pós-crosslinking e no pós-transplante de córnea. As lentes adaptadas no IOSB tem um padrão de personalização com detalhamento altamente preciso, garantindo uma regularidade de resultados com sucesso muito grande.

Tratamentos cirúrgicos do ceratocone

Atualmente é grande o número de especialistas aderindo aos novos métodos de tratamento cirúrgico do ceratocone, entretanto nenhum destes métodos tem mostrado ser uma solução final para o problema pois a maior parte dos pacientes ainda requer correção com lentes após o tratamento. Em muitos casos ocorre uma frustração das expecativas do paciente, pois ele imagina que seu problema irá ser praticamente resolvido com a cirurgia.

Outro ponto o qual temos observado são indicações precoces de tratamentos como implante de anel ou crosslinking quando em certos casos não existe progressão evidente e o caso está estabilizado. O protocolo de tratamento do ceratocone deve ser seguido a risca e não é porque um especialista não tem muita experiência com lentes de contato que ele deve propor uma intervenção cirúrgica prematura, por menos invasiva que seja, sem antes assegurar que o caso tenha indicação, ou seja, existe a constatação inequívoca de que o caso está tendo episódios de progressão freqüentes. Estes episódios caracterizam-se por trocas freqüentes de receitas de óculos ou mudanças na curvatura e grau da lente de contato em períodos de tempo em torno de 6 meses, sendo que pequenas alterações topográficas não significam exatamente um sinal evidente de progressão, salvo se estas alterações forem significativamente maiores.

O papel das lentes de contato no ceratocone

As lentes de contato rígidas gás permeáveis especiais ainda são o tratamento mais utilizado no mundo para a correção visual destes pacientes e o sucesso destas adaptações depende diretamente da capacidade e experiência do profissional e da tecnologia das lentes utilizadas. É importante que o paciente tenha a oportunidade de ter uma segunda ou terceira opinião de um profissional especializado e experiente na adaptação destas lentes especiais no ceratocone, em certos casos a lente correta e bem adaptada irá devolver ao paciente a tranqüilidade, segurança, conforto e a visão que ele precisa para retomar suas atividades normais.

"O caminho do futuro para a resolução de casos complexos de córneas irregulares está na ultrapersonalização das lentes rígidas (RGPs), na observação clínica do olho como um sistema e na correta orientação dos pacientes."


Estudos sobre a origem e evolução do ceratocone

Embora muitos estudos estejam sendo realizados atualmente em tratamentos cirúrgicos menos invasivos que o transplante de córnea, notamos que estudos que buscam compreender a origem e o desenvolvimento do ceratocone são poucos, e pouco ainda se sabe sobre isso. É neste ponto que o IOSB tem focado boa parte de seus estudos em contato com especialistas dos EUA e Europa, procurando aprender e estudar os possíveis fatores que provocam o ceratocone ou sua origem e o que leva a patologia a progredir. O estudo atual do IOSB é o de orientar o paciente sobre o que fazer e não fazer para que não ocorra a progressão do caso ou para mantê-lo estabilizado. O fato de termos uma vasta exposição a um grande número de casos de ceratocone nos proporciona uma rica fonte de pesquisa e proporciona igualmente uma amostragem de casos importante para estudos que estão sendo conduzidos e planejados para futuras publicações científicas. 

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB - http://www.iosb.com.br/

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Um dia que jamais irei esquecer

No dia 03 de Setembro de 2004, meu pai submeteu-se a uma intervenção cirúrgica de prevenção, devido a uma artéria (descendente anterior) parcialmente obstruida. Ele havia já realizado o procedimento menos invasivo do implante de Stent (drug elluting Stent, revestido) em uma angioplastia em Março de 2004 que teve sucesso, entretanto em Maio ele teve uma restenose ou seja, estava cicatrizando e fazendo nova oclusão parcial na área das extremidas do Stent. Fez uma nova angioplastia e cateterismo e foi desobstruido novamente, entretanto em Agosto uma recidiva de restenose e daí sua decisão (muito sensata levando em consideração essas dificuldades com o Stent) de que a melhor solução seria a cirurgia de ponte de mamária ou como é chamado "By pass". Sabíamos que os prognósticos eram melhores desta vez, eu apenas concordei com essa decisão uma semana antes, anteriormente eu era contra e pesquisei muito sobre métodos de tratar as recidivas de restenose.

O mais interessante foi que em nenhuma oportunidade ele teve infarto ou angina, entretanto ele percebeu em Fevereiro que seu condicionamento físico havia caido, mesmo ele sendo uma pessoa que tinha um ótimo preparo físico e cuidados com alimentação e saúde. Decidida a cirurgia ela seria marcada para após o feriado, entretanto após nós avaliarmos o exame de multi-slice que apresentava uma tomografia da artéria e do Stent  e observamos que o canal ou luz estava muito fino, ele optou creio que acertadamente que seria melhor operar antes do feriado de 7 de Setembro, embora deva-se evitar cirurgias antes de feriado pois muitas vezes o médico viaja e quem vai atender qualquer intercorrência é um assistente. 

A cirurgia correu bem, o cirurgião comentou que foi um sucesso. Ficamos muito felizes e fomos informados de que deveríamos voltar apenas no dia seguinte, poucos familiares pois ele ficaria na UTI para recuperação nos primeiros dois dias, para evitar contaminação. Essa é a pior parte dessa história, o telefonema cerca de duas horas e meia depois do hospital solicitando a presença de um familiar, o que me soou estranho. A ida de minha casa até o Instituto de Cardiologia foi uma das piores sensações que tive na minha vida, aquela sensação de desconforto, de nervosismo. Depois de recebida a notícia e o choque, como alguém pode morrer logo em seguida a uma cirurgia já na recuperação? Bem, depois disso foi uma sucessão de choque de realidade.

Meu pai me ensinou muitas coisas na vida, eu com 38 anos na época já tinha convivido o suficiente com ele para aprender que eu deveria aceitar a situação, nada o traria de volta, nada. Entretanto a sensação que me ficou e que segue comigo desde o dia 04 de Setembro, dia do enterro, até hoje é que parte dele ficou comigo. Comecei a pensar como ele, descobri que ele havia me preparado para aquele momento como nunca havia imaginado que poderia ocorrer. Descobri que eu tinha uma força, uma coragem e uma capacidade muito além do que acreditava ter.

Essa energia ficou, em considero que parte dela foi gerada por ele e depois desenvolvida por mim, ela me fortalece a cada dia e me ajuda a ter mais preparo e determinação para ajudar aos pacientes que nos procuram desde o Rio Grande do Sul e de todo o Brasil. Temos pacientes que tiveram sua primeira consulta em torno de 1971 em diante (na época tu era uma criança) e que continuam sendo atendidos pela nossa equipe profissional no IOSB e que jurei não deixar sem atenção. Os novos que vem sendo atendidos por nossa equipe e que vem a fazer parte dessa grande família que é o IOSB, pois além de uma clínica especializada na reabilitação visual com lentes especiais, no tratamentos de doenças externas oculares e em cirurgias (não eletivas), essa grande família é que move o nosso espírito de trabalho, com dignidade, competência, tecnologia, com afinco e dedicação.

Hoje, faz exatamente 6 anos que meu pai faleceu, acredito fielmente que ele nos ilumina a cada dia para que tenhamos como exemplo sua pessoa, sem dúvida antes de um grande especialista era um grande amigo e um ser humano exemplar.

Muito obrigado a todos os pacientes do Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos. Saibam que a razão de nossa existência é garantir a saúde ocular de vocês, e com um tratamento humano e cordial. Esta é uma homenagem que faço a meu pai, Dr. Saul Bastos, pai, orientador, companheiro e meu melhor amigo.



Com incondicional amor e lealdade,

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC Especiais IOSB

domingo, 29 de agosto de 2010

Lente de contato e Olho Seco

A síndrome do olho seco é um problema que afeta a muitas pessoas em graus de severidade branda a severo, os casos mais leves geralmente o paciente é praticamente assintomático. Já nos casos mais severos o paciente sente ardência nos olhos, acaba muitas vezes coçando os olhos com vigor para aliviar o incômodo. O olho seco significa que o paciente possui uma quantidade de lágrima nos olhos menor do que o necessário e a causa pode ser deficiência da na produção de lágrima ou causa evaporativa. O tempo seco e com baixíssima umidade registrados nestes últimos 10 dias na grande São Paulo devem ter sido catastróficos para estes pacientes pois os sintomas agravam-se com a umidade relativa do ar muito baixa e com a concentração de poluição no ar.

Muitos pacientes submetidos a cirurgia refrativa apresentam o quadro de insuficiência lacrimal, alguns pacientes ainda que assintomáticos podem ser diagnosticados com instabilidade lacrimal com os exames de tempo de ruptura do filme lacrimal (T-BUT), teste de Schirmer com ou sem anestésico (nós preferimos com anestésico de acordo com o protocolo do Will's Eyes Hospital) e também o teste  com Rosa Bengala ou Lissamina Verde para corar células mortas e filamentos de muco no filme lacrimal (nós preferimos o teste com Lissamina Verde pelo fato de não causar ardência no paciente e que apresenta resultados precisos). É normal pacientes com agravamento da síndrome de olho seco pós-cirurgia refrativa conformar-se com a situação relatando que a independência de óculos ou lentes de contato ainda é melhor mesmo tendo que depender do uso de colírios em forma de lágrimas artificiais.

Os pacientes que apresentam síndrome de olho seco frequentemente coçam mais os olhos e tem um diagnóstico de alergia ocular, inclusive utilizando medicação anti-alérgica em forma de colírio enquanto na verdade o diagnóstico diferencial aponta para deficiência do filme lacrimal e olho seco. Pudemos observar nestas últimas décadas que muitos pacientes com ceratocone tem o hábito de coçar sofreguidamente sendo esta provavelmente a causa da perda de parte da resistência biomecânica corneana o que irá provocar o surgimento do ceratocone.

Os pacientes operados por Lasik que anos depois desenvolveram um "ceratocone" não primário (ectasia secundária), também chamada cientificamente de ceratoectasia iatrogênica, se tornaram portadores de ceratocone provavelmente pelo fato de durante a cirurgia quando é feito o corte do flap corneano várias fibras de colágeno corneano são cortadas, dmiminuindo significamente a resistência biomecânica pois estas fibras não voltam a ser ligadas e também pelo fato de com a ablação pelo laser uma quantidade significativa de tecido estromal é retirado para obter a correção do grau na cirurgia refrativa. Aliado a este fator, a dminuição da produção de lágrima ou a instabilidade da lágrima poderá gerar a necessidade do paciente de coçar os olhos como nos portadores de olho seco, o que sabe-se é um dos motivos sempre mencionados como importante em todos os estudos relacionados a origem do ceratocone.

Uso de Lentes de Contato no Olho Seco

Para os usuários de lentes de contato esse é um problema que pode impossibilitar o uso de lentes gelatinosas ou descartáveis pelo fato destas terem um efeito de absorver a lágrima do paciente e agravar os sintomas de olho seco. Neste caso a adaptação de lentes rígidas gás permeáveis (RGPs) ou simplesmente gás permeáveis é bem indicado, desde que a adaptação seja feita corretamente e com lentes de boa qualidade para assegurar ao paciente conforto, segurança e a melhor acuidade visual possível de se obter, geralmente melhor que qualquer lente gelatinosa. As lentes de contato RGPs de boa qualidade e com desenho apropriado permitem que a lágrima (ainda que em menor quantidade) circule livremente pela córnea, sendo mais saudável especialmente para a córnea e para a livre passagem da pálpebra superior ao piscar. Devido ao fato destas lentes não absorverem a lágrima os olhos ficam umidificados com a pouca lágrima que o paciente apresenta no caso do olho seco ou com o uso de colírio lubrificante em forma de lágrimas artificiais.

Embora as lentes RGPs sejam melhor indicadas para portadores de síndrome de olho seco é importante que esse detalhe seja observado no exame sob o biomicroscópio. A falha em não observar o problema e indicar um colírio lubrificante em forma de lágrima artificial pode levar o paciente a agravar os sintomas de coceira e desconforto com as lentes, especialmente em condições atmosféricas impróprias como umidade relativa do ar muito baixa (tempo seco) e em ambientes com ar condicionado, vento ou ambientes com calefação. Isso agrava sobremaneira o estado de saúde geral da córnea, podendo levar o paciente a ter desde crises de hiperemia conjuntival (olho vermelho) como a lesões corneanas que podem ser superficiais ou mesmo erosão de córnea com rompimento da membrana de Bowman atingindo o estroma, que em alguns casos provoca uma úlcera de córnea.

O tratamento nestes casos envolve a suspenção imediata do uso de lente de contato, tratamento com gel reepitelizador e cicatrizador,  lubrificantes e se necessário o uso de antibióticos profiláticos nos casos mais severos. Naturalmente que os casos mais graves são mais raros pois geralmente o paciente irá fazer revisão oftalmológica, geralmente ele é levado a acreditar que o problema encontra-se na sua lente, o que pode ocorrer também se a lente não for bem adaptada e se não for de boa qualidade, mas neste caso estamos falando de alteraçãoes na fisiologia da lágrima e de uma condição que afeta em torno de até 40% da população.

Uma correta avaliação oftalmológica e do padrão de adaptação da lente RGP assegura a saúde do paciente e pode mantê-lo saudável usando suas lentes de contato.  Em alguns casos pequenas recomendações devem ser feitas aos pacientes lembrando-os da necessidade de piscar, hoje em dia com o uso cada vez maior de computadores é normal que mais pacientes tenham sintomas de olho seco quando se expõem por horas ao monitor e "esquecem de piscar". É importante observar o paciente para investigar blefarite, em alguns casos simplesmente orientar o paciente a lavar os olhos com sabonete líquido neutro com as pálpebras fechadas, esfregando por sobre as pálpebras e cílios em movimentos circulares passageando estas áreas o ajudará a ter uma melhor lubrificação e diminuição dos sintomas, as vezes também é interessante lavar os olhos uma vez por semana com soro fisiológico recém aberto, enaguando bem os olhos abundantemente e piscando algumas vezes para remover detritos e filamentos de mucina que possam estar presentes na lágrima e que podem irritar os olhos. 

O uso de ar condicionado ou calefação que provocam uma súbita diminuição na umidade do ar também é um fator agravante e algumas recomendações importantes devem ser feitas para o paciente, como o uso de umidificadore de ambiente ou a simples colocação de um balde ou bacia com água (pode ser uma toalha umedecida) no ambiente onde ele se encontra. Pausas no uso do computador e pequenas caminhadas para fortalecer estas pausas a cada 20 - 30 minutos são úteis pois neste momento o paciente irá voltar a piscar normalmente. 

Os casos de olho seco mais graves devem ser clinicamente registrados no consultório médico e o paciente deve ser orientado a utilizar medicação adequada de maneira a obter melhor estabilidade lacrimal. Hoje em dia existem diferentes tipos de colírios lubrificantes a base de lágrimas artificiais mas é importante lembrar que pacientes dependentes destes lubrificantes que pingam estas gotas várias vezes por dia devem ser orientados a utilizar lubrificantes sem preservativos (conservantes) devido a toxicidade presente na maior parte dos lubrificantes. Os pacientes que tem deficiência ou instabilidade lacrimal crônica ou muito grave ao utilizar lubrificantes com conservantes criam um efeito "rebote" no qual quanto mais lubrificam os olhos mais eles parecem necessitar de lubrificação, tornando o tratamento ineficaz.

Alternativas para o tratamento do olho seco

Os colírios lubrificantes em forma de lágrimas artificiais são os mais utilizados recursos para tratamento do oho seco, alguns destes possuem fórmulas mais modernas de forma a hidratar e manter por mais tempo hidratada a superfície ocular. A Allergan por exemplo disponibiliza os lubrificantes Fresh Tears, Optive e o Endura. Estes lubrificantes tem a vantagem de segundo o fabricante de ter em sua formulação o conservante Purite que logo que a gota do produto sai do frasco e entra em contato os olhos se transforma em um dos componentes da lágrima natural. A Allergan também oferece hoje os lubrificantes Refresh Flaconetes e o Optive UD que são apresentados em forma de flaconetes e sem conservantes. Outros lubrificantes com fórmulas semelhantes ao Fresh Tears (Carmelose Sódica 0,5%) são os lubrificantes Lacrifilm e Ecofilm. 

O Fresh Tears Liquigel da Allergan (carboximetil celulose sódica) é uma boa alternativa aos pacientes com sindrome de olho seco pois sua exclusiva formulação gel-líquida assegura maior tempo de retenção na superfície da córnea, o que permite sua utilização também em casos de gravidade moderada de olho seco, aliviando os sintomas associados. 

Entre as alternativas com a utilização de medicamentos em forma de colírios está o uso da ciclosporina que embora os resultados demorem a aparecer (geralmente em torno um mês e meio) podem ser um importante aliado em alguns casos onde o oftalmologista observa que é preciso promover uma maior produção lacrimal. Existem alguns trabalhos publicados sobre a utilização do Restasis para tratamento do olho seco, a ciclosporina apresenta atividade imunossupressora. Em pacientes cuja produção de lágrimas é supostamente suprimida devido à inflamação ocular associada à ceratoconjuntivite seca, acredita-se que a ciclosporina emulsão apresente atividade imunomoduladora parcial. O mecanismo de ação exato não é conhecido. a ciclosporina apresenta atividade imunossupressora. Em pacientes cuja produção de lágrimas é supostamente suprimida devido à inflamação ocular associada à ceratoconjuntivite sicca (olho seco), acredita-se que a ciclosporina emulsão apresente atividade imunomoduladora parcial. O mecanismo de ação exato não é conhecido. Os recentes estudos envolvendo o Restasis mostraram que leva em torno de 4 a 6 semanas para começar a ter efeito e pode ser utilizado concomitantemente com lágrimas artificiais.

Inserção de SmartPlug de Silicone
O implante de plugs lacrimais de silicone hoje é um importante aliado para que alguns pacientes possam manter uma quantidade de lágrima nos olhos, mantendo a fisiologia corneana saudável. É interessante que o paciente pode ser testado com Smart Plugs de silicone que se decompõem em torno de 10 dias, prazo no qual o médico e paciente poderão avaliar a eficácia ou não do tratmento e assim se for o caso realizar a colocação de plugs definitivos (podem ser retirados mas não se decompõem) que irão permanecer nos dutos de escoamento lacrimal interrompendo seu fluxo normal mas criando um menisco lacrimal normal que irá garantir uma maior estabilidade do filme lacrimal corneano e garantido a saúde fisiológica corneana. É dos métodos de fechamento dos dutos de escoamento lacrimal o menos invasivo e indolor, podendo ser realizado no próprio consultório sem a necessidade de ambiente cirúrgico.


Lentes RGPs Esclerais e Semi-Esclerais

O uso de Lentes de contato RGP Esclerais e Semi-Esclerais no tratamento do olho seco severo é uma alternativa bastante viável ao menos no IOSB onde estamos realizando adaptações em pacientes com necesidades de tratamento de olho seco e correção óptica de ametropias regulares (miopia e astigmatismos) e irregulares (ceratocone, degeneração marginal pelúcida, ceratocone globoso, seqüelas de cirurgias refrativas e pós-transplante de córnea). As lentes de contato gás permeáveis esclerais e semi-esclerais caracterizam-se por serem lentes que não tocam ou se apoiam na córnea, elas repousam suavemente na esclera (porção branca dos olhos), e são inseridas nos olhos com uma solução salina sem conservantes que fica em contato direto com a córnea, mantendo a saudável por períodos que vão de 8 a 12 horas de uso contínuo, podendo naturalmente serem retiradas e recolocadas se um maior número de horas de uso for necessário.  A vantagem desta técnica é que durante as horas nas quais o paciente mais precisa manter seus olhos abertos e que sente das dificuldades impostas pelo desconforto da síndrome de olho seco ele poderá obter total conforto e a acuidade visual necessária para a realização de suas tarefas diárias, sejam elas de natureza profissional ou domésticas.

O IOSB inciou de forma pioneira no Brasil a adaptação das lentes SSB fabricadas pela Ultralentes, com uma casuística de mais de 60 pacientes testados e a maioria já utilizando estas lentes por diferentes razões. Alguns destes pacientes possuem a síndrome do olho seco e todos relataram uma melhora significativa com o uso destas lentes, corroborando estudos e publicações sobre o assunto nos EUA e no Reino Unido. É sem dúvida um método de tratamento eficaz para a ceratoconjuntivite sicca, síndrome de Sjörgen, entre outras patologias que causam olho seco severo.


video



O diagnóstico de síndrome de olho seco, embora seja uma patologia muito comum nos dias atuais, ainda é pouco observada na consulta de rotina de muitos oftalmologistas, talvez não seja dada a devida importância ao caso há menos nos casos mais severos e as possibilidades de tratamento ainda são pouco estudadas exceto por aqueles oftalmologistas que se especializam nessa área e pesquisam muito o assunto assim como estudam as alternativas de tratamento. Uma dica importante é orientar o paciente a observar quais são os sintomas que ele sente ao longo do dia desde que acorda e anotar isso para que ele possa apresentar ao oftalmologista. Isso ajudará ao médico realizar uma melhor análise das queixas e assim ele poderá fazer um exame mais detalhado e minuncioso, utilizando os métodos de teste disponíveis para uma correta avaliação e prescrição do tratamento ideal.

Os pacientes com olho seco severo tem uma qualidade de vida muito ruim e precisam muito que sejam acompanhados e exploradas as diferentes alternativas de tratamento para que possam retomar a sua rotina sem soferem com o problema. Já os pacientes com sintomas leves de olho seco devem ser corretamente informados da condição e orientados de como proceder para neutralizar ou amenizar os sintomas, assim como o tratamento preventivo é eficaz para ele não tenha que futuras complicações com o olho seco que possam comprometer sua saúde ocular.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB
Dr. Marcelo Bittencourt
Diretor Clínico e Oftalmologista - Setor de Córnea IOSB
Dra. Juliana Pozza
Oftalmologista - Setor de Córnea IOSB

domingo, 18 de julho de 2010

Técnicas Não-Invasivas de Tratamento do Ceratocone

O IOSB, através de seu Instituto do Ceratocone, reafirma sua vocação de colaborar em pesquisas junto a especialistas na Europa e nos EUA em tratamentos terapêuticos não invasivos no tratamento do ceratocone. No final de 2008 nossa equipe iniciou um pesquisa na literatura referente ao que existe de estudos sobre a origem e sobre possíveis tratamentos e prevenção do ceratocone. Nesta busca pela informação tivemos contato com oftalmologistas e cientistas de áreas afins que estão também engajadas neste tipo de estudo e fomos formando uma rede de informações e de aprendizado mútuo sobre o assunto.

A partir deste ano de 2010 o IOSB vem aprofundando os estudos e juntando teorias e descobertas de especialistas nos EUA e na Europa especialmente. O interessante é que nossa iniciativa culminou em apresentarmos em alguns casos diferentes especialistas que não se conheciam mas que dedicam-se à estudos diferentes que se complementam. Esta atuação junto a pesquisa e ao estudo fortalece o IOSB como referência em estudos de tratamentos não-invasivos do ceratocone. Alguns especialistas no Brasil juntaram-se recentemente a nossa equipe nesta rede de estudos com a finalidade de montar um projeto multi-cêntrico de estudo, e será um importante passo na busca de novos tratamentos que possam ajudar aos pacientes com ceratocone e outras ectasias corneanas.

Este estudo é uma homenagem ao Dr. Saul Bastos, oftalmologista pioneiro no Brasil na adaptação de lentes de contato no ceratocone e que foi um médico exemplar, um cientista esmerado, professor carismático e um inovador na reabilitação visual em córneas irregulares. Inspirados pela sua capacidade visionária a equipe do IOSB irá continuar a pesquisar e desenvolver métodos de tratamento não-invasivos para o ceratocone e outras distrofias da córnea, assim como a desenvolver novos desenhos e técnicas de lentes de contato especiais para resultados cada vez melhores.

Pai, ilumina-nos com a sua sabedoria e inspira-nos com a sua visão.

Porto Alegre, 18 de Julho de 2010.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB - http://www.iosb.com.br/

segunda-feira, 28 de junho de 2010

17ª Jornada Gaúcha de Oftalmologia - 24 a 26 de Junho de 2010

A Jornada Gaúcha de Oftalmologia, realizada entre os dias 24, 25 e 26 de Junho no Hotel Continental de Canela, merece os parabéns pela excelente organização e nível científico do evento. Os oftalmologistas e novos organizadores estão realizando um excelente trabalho dando continuidade a JGO que tornou-se um evento tradicional da oftalmologia gaúcha nas últimas décadas.

O Dr. Marcelo Bittencourt e eu tivemos o prazer de participar deste evento que além da oportunidade de reencontrar velhos amigos nossos e de meu pai (Dr. Saul Bastos),  teve um cronograma científico de alta qualidade com excelentes palestrantes de notável conhecimento e experiência.

Outro fator importante é a oportunidade de juntar os especialistas ligados aos principais centros de formação de profissionais oftalmologistas do RS como o Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre e os setores de oftalmologia do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e do Complexo Hospitalar da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, além de especialistas de diversas outras cidades do interior do estado.

Desejamos longa vida a Jornada, tenho certeza de que o competente grupo de organizadores irá trabalhar com muita seriedade e dedicação para aprimorar ainda mais este evento. A proposta é tornar o evento um atrativo a um cada vez maior número de especialistas do RS e de outros estados, com cronogramas cada vez melhores e mais amplos.

Luciano Bastos
Diretor do Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos - IOSB

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Curso Avançado de Lentes de Contato PUC-Rio

Neste final de Maio tive a oportunidade e a honra de participar do Curso Avançado de Lentes de Contato da PUC-Rio no IDTO, sob a orientação do Professor Flávio Resende e do Dr. Brunno Dantas.  O curso foi um grande sucesso e todos estão de parabéns pela excelente qualidade das palestras, pela alta qualidade dos alunos e pela ótima organização.

O Rio de Janeiro já foi um dos mais importantes centros de referência na adaptação de lentes de contato na oftalmologia, e atualmente estava carente de um curso de altíssimo nível como este. Esta iniciativa com certeza recolocará o Rio de Janeiro como importante polo de tecnologia e especialização na reabilitação visual com lentes de contato especiais.

Agradeço a todos os professores, auxiliares, aos ilustres palestrantes e aos representantes comerciais pelo carinho, pela receptividade e hospitalidade com que fui recebido no Rio. Foi uma honra contribuir para um curso de alto nível como esse. Minha missão foi apresentar e falar sobre adaptações especiais pós-cirurgia refrativa, adaptações especiais em ceratocone avançado e extremo, pós-implante de anel intraestromal, pós-transplante de córnea e ainda colaborar nas aulas práticas.

Todas as aulas foram proferidas por excelentes especialistas que certeza colaboraram na preparação desta nova geração de oftalmologistas que está surgindo, o que trará ao Rio de Janeiro novamente um importante papel na subespecialidade das lentes de contato. 

Minha estada no Rio durante o curso foi o melhor presente de aniversário, muito obrigado de coração.

Um grande abraço a todos!

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB - http://www.iosb.com.br/

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Revisões de rotina na adaptação de lentes de contato rígidas no ceratocone

O Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos (IOSB) é referência na adaptação de lentes de contato especiais em córneas irregulares tais como o ceratocone dos iniciais aos mais extremos, nos casos de pós-implante de anel intracorneano e nos casos de pós-transplante de córnea que requerem lentes especiais para uma melhor acuidade visual. Outras modalidades de adaptações de lentes rígidas freqüentes no IOSB são as complicações de cirurgias refrativas (RK, PRK e LASIK), o pós-trauma, miopia ou alta miopia, os astigmatismos elevados, afacia e hipermetropia.  

Uma clínica referência como o IOSB recebe cerca de 50 a 60 pacientes de lentes de contato por semana entre primeira consulta e revisões. A equipe do IOSB, composta pelos oftalmologistas especialistas em córnea como o Dr. Marcelo Bittencourt e a Dra. Juliana Pozza e por mim, Luciano Bastos, diretor e instrutor técnico clínico de LC e consultor especializado em desenvolvimento de lentes especiais para córneas irregulares. Dada a importância que nosso trabalho tem de ajudar na reabilitação visual de centenas de pacientes ao longo de cada ano, é fundamental que estes pacientes sejam corretamente orientados a fazer suas revisões com uma freqüência de ao menos uma vez ao ano. Temos pacientes que consultavam com meu pai no final da década de 60 e início da década de 70 que ainda permanecem no IOSB recebendo tratamento de alta tecnologia científica e excelentes resultados. 

Os casos de pacientes com ceratocone adaptados com lentes rígidas Ultracone são os que mais devem estar cientes de que devem revisar a adaptação ao menos uma vez ao ano para garantir que estas estejam atualizadas em em boas condições de uso. Além disso, o ceratocone não tem regra para que um episódio de evolução ocorra. Sabemos hoje que o ceratocone na maior parte dos casos tende a iniciar um processo de estabilização ao redor dos 25 anos de idade do paciente, com uma tendência a estabilização maior entre 30 e 40 anos. Apesar dos episódios de progressão da ectasia corneana serem mais brandos ou mais espaçados nesse idade, os episódios podem ocorrer eventualmente, por essa razão a importância de um acompanhamento mais freqüente.

O IOSB tem uma tradição que vem de anos de meu pai, de fazer adaptações precisas e com lentes de alta tecnologia e qualidade. Diante disso os pacientes tornam-se as vezes muito confiantes e somente lembram de que tem que revisar quando começam a sentir algum dsconforto ou piora na visão, o que pode ocorrer por uma série de fatores, tais como:
  1. Lente RGP de antigas com depósitos muco-proteícos da lágrima aderindo na lente, geralmente causados por uma limpeza não bem feita ou por pacientes que tem na composição bioquímica da lágrima uma quantidade maior de mucina que o normal.
  2. Episódios de evolução do ceratocone, onde o ápice do cone passa a tocar a base da lente, provocando um atrito mecânico mesmo que leve e agredindo o epitélio.
  3. A crença de que a lente sendo tão boa e como está boa a tanto tempo, que basta limpar melhor que ela ficará boa e poderá continur o seu uso.
Estes são alguns dos principais fatores que fazem com que certos pacientes as vezes demorem para vir para uma revisão de adaptação de lentes de contato rígidas (RGPs) que poderíam evitar maiores transtornos, como ter que suspender o uso da lente e tratar a córnea até sua cicatrização. Existem casos que um simples polimento da lente feito no mesmo dia da revisão poderá surtir em um resultado muto satisfatório para opaciente, como a garantia de que as lentes estão bem adaptadas ou não e a certeza de que não irão provocar o mesmo desconforto e a visão irá melhorar.

É de grande importância que eventuais problemas sejam solucionados antes mesmo deles ocorrerem. As revisões de prevenção de problemas são muito mais tranqüilas do que as de correção de problemas, pois sempre é mais fácil agir de forma preventiva do que corretiva, a qual pode demandar maior tempo e consequentemente um maior esforço por parte do paciente. Como os pacientes usuários de lentes de contato tem baixa ou praticamente nenhuma visão com óculos, são usuários de lentes rígidas que usam as mesmas durante todo o dia, colocando ao acordar e retirando apenas para dormir. 

Abaixo, elaborei um tutorial de prevenção de problemas que deve ser seguido por todos os pacientes usuários de lentes rígidas gás permeáveis (RGPs), especialmente aqueles que tem ceratocone ou outra forma de irregularidade corneana.  
  • Procure fazer uma revisão de rotina uma ve ao ano, programe-se para isso. Se passar de 12 meses procure não deixar passar mais de 18 meses, pois é maior o risco de pode haver algum problema. As lentes RGPs podem durar até mais tempo que isso, mas é fundamental que o paciente seja visto.

  • Ao perceber que a lente está incomodando, mesmo que pouco, retire a mesma e fique sem usar a mesma de dois a três dias antes da revisão. Isso irá ajudar se uma nova lente tenha que ser feita para garantir o conforto, a melhor acuidade e qualidade visual e especialmente garantir a saúde fisiológica corneana.

  • Siga corretamente as instruções de limpeza aprendidas no seu treinamento. Verifique com nossa equipe se os produtos utilizados são os indicados. Se juntamente com os produtos de assepsia e cuidados com as lente, certifique-se de informar que tipo de medição foi ou está sendo utilizada conforme a orienttação específica recebida.

  • Faça uma paste de exames relizados no passado recente para que estes possam servir de refrência as condições da cónea e ao tratamento atual. É freqüente utilizar a própria LC do paciente ou os dados anteriores para que sirvam de uma referência para a revisão. Embora atualmente estajmos fazendo cópias eletrônicas dos exames, nunca é demais trazer os exames menos antigos, caso tenham os mesmos em mãos.

  • Agende com antencedência, se for uma situação emergencial vá ao serviço de oftalmologia de pronto-atendimento e depois traga uma cópia do laudo fornecido. Desta forma é possível verificar o problema como ele se encontrava logo após o sintoma ter iniciado.

  • Se sentir que alguma coisa não está bem com seus olhos ou com as lentes entre em contato por telefone ou email conforme relacionado mais adiante:


Agindo desta forma você estará seguro(a) de que a córnea não terá ferimentos ou complicações que possam fazer do que o tempo de recuperação seja maior devido a eventuais lesões mesmo que leves. A prevenção de complicações e o planejamento mais disciplinado é a forma melhor de certifica-se de que você não terá que em alguns casos suspender o uso para tratar a córnea.

O IOSB não é um serviço de emergência, mas sim uma clínica especializada privada que atende a seus pacientes com horários marcados, como são muitos casos de alta complexidade é importante agendar as revisões de forma a garantir que será atendido no dia e hora marcados. Alguns pacientes vem de outras cidades e estados, muitas vezes longe de sua cidade. Como forma de ajudar ao paciente dispomos de hotéis conveniados próximos a clínica onde ele poderá hospedar-se tendo valores de diárias com descontos especiais.

Para contatar o IOSB, basta estabelecer contato e acompanhar nosso website ou blog ou fazer contato por telefone, MSN ou email. Obrigado a todos que vem consultar no IOSB, desde aqueles pacientes de meu pai desde 1970 como os que vem pela primeira vez ou são indicados por colegas que sabem da importãncia e da competência de nosso trabalho.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB


Abaixo, nossas informações para contato e agendamento:

INSTITUTO DE OLHOS DR. SAUL BASTOS
website: http://www.iosb.com.br/ - MSN: iosb_iosb@hotmail.com
Telefones: (51) 3226 0746 - (51) 3226 2794 - (51) 8444 5050
Email: iosb@iosb.com.br

Twitter: https://twitter.com/IOSB2020
Fórum Ultralentes: www.ultralentes.com.br/forum

sábado, 8 de maio de 2010

Lentes de Contato no Ceratocone e no Pós-Transplante de Córnea

Este ano de 2010 tive que postergar um curso que havia planejado fazer na Inglaterra, parte de meu aperfeiçoamento na tecnologia de lentes esclerais e semi-esclerais gás permeáveis. O principal motivo foi de ter compromissos com diferentes associações e instituições de oftalmologia.

O primeiro foi uma honra, fui convidado a participar e colaborar em um curso avançado de lentes de contato no Rio de Janeiro, promovido pelo Prof. Flávio Resende e pelo Prof. Brunno Dantas na PUC-Rio, juntamente com outros ilustres oftalmologistas que irão apresentar o que há de mais avançado na área e que será realizado no final deste mês de Maio. Simultaneamente estou colaborando com a equipe de oftalmologistas do IOSB, em especial o Dr. Marcelo Bittencourt e Dra. Juliana Pozza, na elaboração de apresentações de casos clínicos avançados de adaptação de lentes de contato em ceratocones avançados e extremos. Fora estes compromissos, devo participar de outros eventos como colaborador na técnica de lentes de contato para casos de alta complexidade corneana, casos de ceratocone, pós-implante de anel intra-estromal, pós-transplante de córnea, pós-cirurgia refrativa e pós-trauma, além dos casos de utilização terapêutica de lentes esclerais e semi-esclerais.

Pois na pesquisa extensa de casos do IOSB para compor estes trabalhos, me deparei com casos muito interessantes que merecem comentários. Em alguns casos de pós-transplante de córnea que temos, a dificuldade de adaptar lentes é ainda maior que nos casos de ceratocone avançado ou mesmo extremo.

Muitas vezes o paciente que tem indicação ao transplante de córnea tem a expectativa de obter uma acuidade visual melhor no pós-operatório e após a completa recuperação mas nem sempre isso ocorre como esperado. É importante mencionar que o esperado e que geralmente ocorre é o paciente ter a oportunidade de obter uma acuidade visual satisfatória de óculos (pelo menos) ou então de usar lentes de contato RGPs de razoável complexidade, até aí tudo bem. No entanto existem casos onde após a cicatrização, retirada ou queda dos pontos a córnea fica com uma irregularidade maior ou mais ampla que antes quando tinha apenas a ectasia corneana ou o ceratocone. Existem casos em que o paciente apresenta um enxerto bem cicatrizado, sem complicações maiores mas a irregularidade da topografia corneana aparece em toda a extensão da nova córnea e ao redor da mesma, o que oferece as vezes uma terrível dificuldade para a adaptação de lentes de contato, mesmo a Ultraflat, lente que frequentemente utilizamos para este tipo de situação. Existem casos onde a córnea apresenta uma elevação topográfica similar ao ceratocone, mas não se trata de ectasia e sim do formato mais oblado em forma de cone, mas não ectásico e com uma paquimetria (espessura da córnea medida em micras) normal. O que fazer? Há especialistas que sugerem a aplicação de cirurgia refrativa por foto-ablação (laser) e outros que poderão decidir pela topoplastia ou mesmo um novo transplante. Mas e o paciente?

Não é incomum no IOSB termos que recorrer a lentes que são a princípio específicas para o ceratocone como forma de obter um padrão de adaptação melhor, sobrepondo as dificuldades encontradas pela irregularidade corneana, com alto grau de astigmatismo irregular e curvaturas altas que lembram aquelas encontradas em casos de ceratocone moderado ou alto. Em certos casos estamos adaptando com grande sucesso a nova lente ULTRACONE SSB que é uma lente RGP semi-escleral com diâmetros que variam entre 14.5 a 18.5 mm. e com elas pudemos manter a saúde fisiológica corneana, oferecer conforto e uma melhor acuidade visual para o paciente, eliminando praticamente todo o astigmatismo irregular corneano.

Na nossa opinião, o transplante de córnea é um procedimento seguro e as técnicas disponíveis avançaram muito nos últimos anos, os cirurgiões estão a cada dia mais bem preparados e com uma curva de experiência maior. Entretanto em casos de ceratocone nos quais o paciente tem uma córnea sem opacidades importantes (que não podem ser tratadas) e mesmo que casos avançados, o ideal seria a adaptação de lentes como a Ultracone Extreme, que pode ser adaptadas em praticamente todos os casos avançados com curvaturas de valores até 65 dioptrias, e em alguns casos extremos com valores absolutos maiores que 80 dioptrias. Alguns de nossos pacientes no IOSB tem indicação relativa de transplante por estarem com uma paquimetria baixa, mas seguem usando suas lentes Ultracone Extreme sem complicações e estas lentes por serem de diâmetros maiores e não tocarem o ápice do cone protegem a córnea e garantem sua saúde fisiológica. Estes pacientes em sua maioria são enfáticos em dizer que não querem submeter-se ao transplante, deixando esta opção para um último recurso quando a lente Ultracone não mais puder ajudá-los.

As vezes o paciente submetido ao transplante imagina estar livrando-se de um problema, mas pode em alguns casos estar rumo a outro problema de igual ou ainda maior complexidade, por este motivo que é preciso ter cautela em indicações de transplante em casos onde lentes de contato RGPs de alta qualidade e tecnologia como a lente Soper, Rose K e Ultracone podem ser adaptadas com sucesso, talvez apenas seja uma questão de encontrar o especialista correto para isso.

Em nome da equipe de oftalmologistas do IOSB agradeço aos emails e presentes recebidos pelo dia do oftalmologista. Poder ajudar vocês é uma dádiva a qual agradecemos todos os dias, talvez seja por esta razão que os pacientes do IOSB sejam como uma grande família.

Felicidades a todos!

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB
Diretor & Consultor em LC RGPs Ultralentes
Técnico em LC pela CLAO (Contact Lens Association of Ophthalmologists - EUA)

terça-feira, 20 de abril de 2010

Avedro - Tecnologia Termo-Biomecânica na Miopia e no Ceratocone

Novidades em Tratamentos de Correção Refrativa da Miopia e de Tratamento do Ceratocone.

Avedro recebeu a marca CE da União Européia para sua tecnologia oftalmológica Vedera™ . A empresa prepara-se para imediato lançamento comercial na Europa e Asia.

Waltham, MA, 20 de Abril de 2010 — Avedro, Inc. anunciou hoje o Vedera™ System para realização do procedimento Keraflex®. Recebida a marca CE da União Européia, ela certifica que o Vedera atingiu os níveis necessários de saúde e segurança e abre as portas para comercialização através da Comunidade Econômica Européia e em outros países que reconhecem a marca CE. 

"Estou muito satisfeito como a Avedro rapidamente transformou sua tecnologia de plataforma termo-biomecânica em um equipamento oftalmológico comercialmente disponível. A Avedro vem realizando ensaios clínicos para tratamento da miopia e do ceratocone com o procedimento Keraflex e está muito satisfeita com os resultados. A certificação CE é um passo muito importante para e representa também a disposnibilização de uma nova tecnologia para pacientes e cirurgiões." disse David Muller, PhD, Presdeiente e CEO da Avedro.
The Keraflex procedure is a non-invasive, incision-less ophthalmic procedure for flattening the cornea. Because Keraflex thermally remodels the cornea without the removal of any tissue, the procedure offers the unique ability to induce refractive change without weakening the cornea's biomechanical integrity, as happens with LASIK and other refractive correction procedures.

Keraflex KXL, Aplanamento Corneano e Estabilização da Córnea

Nestes ensaios clínicos Europeus para a correção da miopia e do tratamento para o ceratocone, uma condição progressiva da córnea, Avedro investigou um procedimento em duas etapas no qual Keraflex provém aplanamento da córnea atingindo uma melhor correção da refração e concomitantemente o corosslinking de colágeno estabiliza a córnea. 

"O procedimento Keraflex, induz um aplanamento e maior regularidade corneana, por alterar termicamente a tensão da fibras de colágeno. Isto proporciona correção refrativa na miopia e induz uma superfíce mais uniforme no ceratocone, melhorando a melhor acuidade visual. A utilização do crosslinking de colágeno de córnea aprimora s estabilidade do efeito refrativo induzido enquanto também trabalha para deter a progressão da ectasia corneana." explica o Prof. John Marshall, PhD, do Instituto de Oftalmologia da University College, Londres. 

A empresa planeja iniciar imediatamente a comercialização do procedimento Keraflex na Europa e na Asia e espera treinamento e colaboração com seus cirurgiões oftálmicos.

Sobre a Avedro, Inc.
Avedro, uma entidade privada sediada em Waltham, MA está desenvolvendo a ciência da termo-biomecânica para aplicações terapêuticas médicas. Keraflex® KXL é a primeira tecnologia que a Avedro desenvolveu deste estudo da plataforma termo-biomecânica. Avedro anunciou que assinou um contrato definitivo com a Peschke Meditrade GmbH para adquirir os direitos para a sua fase III dos estudos de corosslinking de colágeno corneano para o tratamento do ceratocone progressivo e das ectasias pós-LASIK nos EUA. A empresa espera também concluir a fase de seguimento de seus estudos e completar os passos necessários para introduzir o crosslinking no mercado americano.


Nota do Tradutor:
Notícia recebida hoje, 20 de Abril de 2010. A empresa Avedro realmente parece que trás uma tecnologia inovadora em termos de cirurgia refrativa menos invasiva para a miopia e de uma combinação de duas técnicas que segundo eles funciona melhor que uma aplicada individualmente ou que serve como mais uma opção de tratamento do ceratocone.

Entrei em contato com eles para saber de maiores informações pois fiquei curioso em conhecer o protocolo sugerido nos ensaios clínicos, já responderam com algumas informações e espero ter mais informações a respeito desta nova tecnologia mas eles mesmo estão aguardando o término destes estudos. O interessante foi eles receberam a marca CE tão rapidamente, mas é natural que nos EUA demore um pouco mais, talvez um ano ou mais pois o FDA é um orgão muito mais rigoroso quando se trata de saúde pública. Qaundo vem ao Brasil? Com certeza não é este ano ainda, apesar de a ANVISA não ser o FDA, a Avedro deseja primeiro consolidar o mercado Europeu e Asiático, depois a América do Norte, quem sabe daqui há dois ou três anos... dificil responder, as vezes as tecnologias novas ficam disponíveis em não tanto tempo no Brasil.

Luciano Bastos

sábado, 10 de abril de 2010

Um brinde a dedicação, a capacitação e a atualização

Dr. Saul Bastos, fundador do IOSB em Lipzig na Alemanha, em momento de lazer em meio a atualização com as mais atuais tecnologias de tratamento para o ceratocone em 2002.

domingo, 7 de março de 2010

NOVO WEBSITE IOSB

O Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos renovou o website oficial. O website novo está no ar no link http://www.iosb.com.br/

Entre as alterações que procuramos fazer na versão nova está um menu de fácil navegação e o mais direto possível, sem carregar imagens pesadas demais que podem deixar a navegação muito lenta em alguns computadores. Também procuramos deixar as informações mais fáceis de serem encontradas.

A nova versão já encontra-se disponível mas será ainda complementada com uma segunda etapa de alterações e melhorias para melhor atender as suas necessidades e as expectativas. Gostaríamos de que você contribuisse com críticas, sugestões e comentários sobre o que podemos alterar nesta nova versão que pudesse melhorar a qualidade do site. Pedimos a você que visite o novo website do IOSB e nos escreva um email com sua opinião e sugestões que julgar necessário, enviando para iosb@iosb.com.br

Todos os comentários serão lidos e analisados e irão contribuir para que possamos aprimorar as informações disponibilizadas. Poderemos também responder a estes emails se houver necessidade ou se o internauta tiver alguma dúvida específica.

Desde já agradecemos a sua cooperação.

Vera Klassmann
Secretária Geral IOSB
MSN: iosb_iosb@hotmail.com

terça-feira, 2 de março de 2010

Novos Materiais em lentes RGPs

O IOSB testou nos últimos seis meses novos materiais em lentes RGPs com uma inovadora fórmula de PoliQuad FluoroSiloxane Acrylate em diferentes níveis de oxigenação. Os materiais foram utilizados da fabricação de lentes para alta miopia, astigmatismos, ceratocone e pós-transplante de córnea em pacientes selecionados para serem observados por um período não inferior a seis meses. Vinte pacientes foram analisados nesse período.

Os resultados foram surpreendentes, com 85% dos pacientes referindo um conforto ainda maior com suas lentes do que os materiais anteriormente utilizados e 15% dos pacientes referiram que os novos materiais são tão bons como os anteriores. Possivelmente a aprovação dos novos materiais deve-se ao fato de sua formulação apresentar co-polímeros superpuros com menor quantidade de siicone o que proporciona um ângulo de umectabilidade mais baixo deixando a lente mais lubrificada, o que é especialmente interessante nos pacientes com instabilidade lacrimal.

Com a conclusão dos testes neste mês de Fevereiro, os materiais foram aprovados e estão sendo incorporados a linha de fabricação de lentes de contato especiais da Ultralentes. Como os custos desses novos materiais são ligeiramente maiores do que a linha atual haverá uma ligeira modificação nos valores finais das lentes, quase insignificante na verdade o que não irá afetar o paciente.

Outro material que é excelente para os desenhos especiais que adaptamos no IOSB e junto aos demais credenciados da Ultralentes é o HydroGP Ultra, um material RGP híbrido que possui um "coat" hidrofílico que reveste e super-hidrata ambas superfícies das lentes, proporcionando um excelente conforto e com ótima umectabilidade e alta permeabilidade ao oxigênio.

O IOSB é sempre um polo de inovação, pesquisa científica e tecnológica para proporcionar aos seus pacientes o que há de melhor em reabilitação visual com lentes de contato especiais. Estas inovações são testadas e depois de aprovadas são disponibilizadas aos oftalmologistas credenciados na Ultralentes, proporcionando que mais pacientes em outros estados e no exterior sejam beneficiados.

Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB
Diretor & Consultor em LC RGPs Ultralentes

sábado, 30 de janeiro de 2010

Agenda para Fevereiro/Março IOSB

Olá pessoal,
O Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos estará em férias coletivas durante os dias 12 a 21 de Fevereiro, e reabriremos Segunda-feira, dia 22. Recomendamos aos pacientes que estiverem planejando consultar antes de Março que entrem em contato antecipadamente para garantir o horário pois estes já estão sendo preenchidos desde o dia 15 de Janeiro.
Os casos especiais que requeiram a presença do Luciano devem agendar suas consultas com nossa equipe médica para Março, pois ele estará em férias ainda até o fnal de Fevereiro. Para os pacientes que vem de outros estados e do exterior, peço que entrem em contato comigo para que possamos organizar sua vinda e se necessário ajudá-los com translado, hotéis e demais orientações.
Para fazer contato utilize os seguintes meios:

Recomendações para pacientes de lentes de contato:

  • Usuários de Lentes Gelatinosas: Interromper o uso de lentes com uma semana de antecedência a consulta.
  • Usuários de Lentes Descartáveis: Interromper o uso de lentes com 5 dias de antecedência a consulta.
  • Usuários de Lentes Rígidas: Retirar suas lentes com três dias de antecedência a consulta.

Obs. Caso não seja possível interromper o uso, por favor comunicar ao marcar a consulta para que possamos fazer um planejamento diferenciado, mas é fundamental que seja informado antecipadamente.

Qualquer dúvida estamos a sua disposição.

Vera Klassmann - Secretária Geral

IOSB Instituto de Olhos Dr. Saul Bastos

Rua Dr. Flores, 323 1° andar - CentroPorto Alegre, RS 90020-123

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Ceratocone: A Importância das Revisões de Rotina

Já é início de mais um novo ano, novos projetos, novos desafios e a continuidade da vida com suas alegrias e dificuldades. Um aspecto importante para quem é usuário de lentes de contato é estar em dia em relação a seus olhos e ao estado de suas lentes, para que o paciente possa seguir suas novas e antigas rotinas diárias.
'
Aproveitamos para lembrar aos pacientes do IOSB usuários de lentes de contato sobre a importância de realizar revisões de rotina, mesmo se tudo estiver bem com você e suas lentes, é muito melhor revisar antes que um problema surja e tomar as devidas pecauções do que depois ter que corrigir um problema, isso é válido especialmente aos pacientes com ceratocone pois pode eventualmente ocorrer um episódio de progressão e a lente começar a tocar o ápice corneano.
'
Fique atento a olhos vermelhos, a sensação de irritação com as lentes, especialmente se ocorrer somente durante o uso das mesmas. As lentes Ultracone são muito confortáveis e isso pode as vezes fazer com que o paciente protelar uma revisão, se houver uma sutil progressão do ceratocone é possível que o paciente nem mesmo sinta desconforto em um primeiro momento.
'
O ideal é que o paciente marque suas revisões no IOSB ao menos uma vez ao ano, o ideal seria de 6 em 6 meses. Existem muitos pacientes que estão com seu ceratocone estável e acabam ficando as vezes anos sem vir para revisão, é importante lembrar que as lentes vão deteriorando com o tempo, mesmo bem cuidadas elas tem um tempo de uso que é variável mas não é infinito, lembre-se de que é possível fazermos uma limpeza e um polimento em suas lentes, e ao mesmo tempo nossa equipe pode fazer uma revisão de rotina, garantindo a você a saúde de seus olhos e de sua visão.
'
Aos pacientes que moram em outros estados nós procuramos orientar para que eles façam revisões de rotina com oftalmologistas em seus estados sugeridos por nós, são sempre ótimos especialistas que poderão dar um acompanhamento mais de perto de seus casos. Naturalmente é melhor que o paciente venha até o IOSB, mas como hoje em dia nós recebemos pacientes de praticamente todos os estados do Brasil e alguns do exterior, nós procuramos estabelecer essa conduta de reciprocidade com especialistas conhecidos nossos e que poderão ajudar.
'
No caso de ser hora de renovar suas lentes, recomendamos que o façam antes das lentes apresentarem problemas, isso evita que as lentes precisem ser feitas com extrema urgência (dois a três dias) e possibilita uma melhor organização de datas de entregas. Para esses pacientes que moram longe, recomendamos que venham com uma programação que possibilite a eles ficar mais dias se necessário ou se for somente revisão podem vir para a consulta e ir embora no mesmo dia. Nossa secretária irá ajudá-los a organizar a sua vinda. Para contatar o IOSB você tem as seguintes opções:
'
Tel.: (51) 3226 0746 - (51) 3226 2794 - (51) 8444 5050
''
Aproveitamos para agradecer a todas as manifestações de boas festas recebidas, aos presentes e as mensagens de final de ano de 2009. O IOSB tem a alegria de tê-los como pacientes e amigos, obrigado por tudo e especialmente pela confiança depositada em nosso trabalho.
'
Um 2010 especial para todos vocês e seus familiares, com saúde, paz, harmonia e especialmente... visão, conforto e segurança.
'
01/01/2010
'
Luciano Bastos
Diretor & Instrutor Clínico de LC IOSB
'
Dr. Marcelo Bittencourt
Diretor Clínico & Especialista em Oftalmologia - IOSB
'
Dra. Juliana Pozza
Oftalmologista Clínica e Cirurgia - IOSB
'
Dr. Matheus Silvestre Cruz
Oftalmologista - Segmento Posterior IOSB
'
Vera Klassmann
Secretária e Auxiliar de Oftalmologia IOSB